sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

"Joga esse corpo contra o vento e vai vivendo
Com a barriga vazia e a felicidade na mão, o Zé vive
A Maria pula com os pés descalços e clama por mais liberdade
O joão chora diante da calamidade, e reza pela igualdade
Com a inchada na mão, segue o cidadão
E com a opressão vem a lamentação de um futuro melhor
Mas, o que me consola é ver o sorriso na criança
É ver a esperança, é ter esperança."

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Notas de um sambinha qualquer.

Segura a minha mão e vamos cair no samba. Quero me perder nessas notas, decifrar essas cadências, quem sabe, achar o ritmo do seu coração. Vou dançar nesse passo, vou me perdendo nesse compasso. Vou me achar nas suas rimas, me encontrar nas melodias e bailar nos seus braços. Simulando afeto, vou te procurando nos bares da noite, no contrapasso desse samba eu sigo á sorte, na simetria da vida, eu te acho numa rima. No desencanto, eu te canto esse samba, pro seu coração se encantar.

domingo, 20 de novembro de 2011

Eu gosto do desatino, de embolar nos desvarios dessas noites sombrias de solidão, dançando um samba com o copo na mão. Gosto do ardor do álcool e sua demência, gosto de me perder em seus braços, gosto de me encontrar na solidão. Gosto do escuro, gosto da noite, dos bares e lugares, esquinas e bistrôs. Gosto do acaso, da sorte, do ópio e do utópico. (...)

Desvarios de uma noite carnavalesca

Quanta loucura, quanta entrega com tamanha doçura. Do ínfimo ao mais extremo prazer, noite ardente e calorosa. O afeto parece que invadiu o meu ser, misturou-se com o desvario e trouxe-me à tona os devaneios mais veementes. Como me enganar mais uma vez e dissimular esse sentimento que me consome nessa noite de sábado, onde a solidão berra ao meu peito procurando abrigo. Sem soberbas, e nem hesitações, já estou entregue. Não quero pensar onde tudo isso vai dar, chega de contrições. Chegou a hora de ser feliz e delirar com os amavios que o amor proporciona. Quero ficar embriagada, completamente desatinada. Soltar os cabelos, por um batom vermelho e ouvir todas as juras de fidelidade, por mais que seja pra me embair, quero deitar e rolar na sua conversa mole, mole como o meu corpo fica ao ouvir a altivez da sua voz. Quero mais vinho, e prazer. Nada de gelo por hoje. Deixa o amor nos consumir, sem pressa, roupa por roupa, até ficarmos totalmente despidos. Confusão de toques, lábios, suspiros e sussurros. Assim, o dia foi clareando ao som das vassourinhas carnavalescas, dos pierrots e arlequins. E ao sobe e desce a ladeira, vou fazendo promessas por mais uma noite dessas, só que agora sem fim. Paixão de carnaval é sempre assim, tudo acaba em frevo no fim.


Pobre Pierrot, foi deixado pela Colombina que o trocou pelo Arlequin, mas o pierrot voltou a sorrir...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Vida que segue.

Com o coração acelerado e os passos sôfregos, eu decido seguir, sem ao menos saber aonde tudo isso vai dar. Não sei se fiz as escolhas certas ou se amei as pessoas erradas, mas, a única certeza que tenho, agora, é que quero sair daqui. Quero quem sabe, me encontrar melhor do outro lado. Me sentir mais viva e segura de mim. Vou seguir sem olhar pra trás, sem fraquejar e nem balbuciar. Não posso parar, não agora, que decidi te tirar da minha vida. Não posso cruzar o meu olhar no teu, não agora, que decidi te esquecer. Refuto qualquer lembrança que traga ao árduo presente as nossas juras imensuráveis de amor. Não posso me contradizer, não agora, que decidi seguir. Tento apagar qualquer lembrança dessa memória infalível e abusiva, pra quem sabe, talvez, chegar mais leve do lado de lá. Numa bagagem pequena, vou levando tudo que posso-e-quero, sem pesos desnecessários, que é pra evitar a fadiga. Invoco aos santos fé e coragem, pois sei que vou precisar. Ao som de Cássia Eller-Partido alto... eu vou, sem arrependimentos, vou mais forte, mais (in)feliz. Vou contando com a sorte nessa velha-nova-vida.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

"Olha, não desiste, nunca. Me promete isso? Por mim e por você. Promete, porque só assim eu caminho em paz. Não dúvida do meu amor, ele é seu. Abre o coração e vai...vai nessa força e na fé que te sobra, proteção nunca é de mais. Sorria, sempre. O sorriso sempre traz uma esperança, um amor, uma flor. Misture as cores, quebre as regras, nada é imoral quando se é feliz. Pensa em mim, pensa em nós, pensa no quanto podemos ser felizes, juntos. Esquece o tempo, ele é inimigo da saudade. E quando a dor  sufocar...volta, volta pro nosso ninho. Vem me enamorar, vamos curtir o nada juntos. Me enlaça nesse teu encanto, me encanta no teu canto. E é com esse canto que eu vou."

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Tempo (...)

Leve, vagaroso, pertinente... pesado, célere, exaustivo. Tempo. Tão contraditório, tão condizente. Emotivo, racional... inquieto. Me faz voar com os pés no chão. Alucinante. Arranca sorrisos, enlaça alegrias. Melancolia. Me arranca lágrimas de tristeza, saudade. Nostalgia.  Apaixonante, avassalador, cálido. Pura tempestade com o som do tic tac. Me faz pensar que a vida não para. Viajo em pensamentos. Desespero. Confusão de sentimentos, tumulto de pensamentos, me questiono, me aceito, aceito o mundo, porém, o observo, investigo, faço as minhas conclusões. No fim, ainda sobra tempo para questionar o tempo. (O tempo é complexo demais, eu, na minha singularidade me limito a questioná-lo, o aceito, na sua leveza das horas ou na ligeireza dos segundos, me ilimito apenas a viver, de resto o tempo dá conta.)

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O ar é necessário à combustão.

Então, ela decide não se lamentar mais, lava o rosto, coloca uma salto número 8 e um batom vermelho vibrante. Saí a rua, para numa banca de revista, compra um jornal e segue para o café da esquina, aquele no qual costumava sempre ir com o "tal". Pois é, o Zé agora virou um carinha qualquer, é tipo um mantra, não mencionar o nome do dito cujo lhe atrai vibrações positivas. Anda pela rua exibindo um sorriso estonteante, como quem quer mostrar pro mundo que não tem nenhum problema. É esdrúxulo, mas ninguém se conforma com uma pessoa que transparece total felicidade, e enquanto se movimenta com tamanha beleza todos lhe observam. Ao mesmo tempo em que o mundo lhe observa, ela também observa o mundo. Para em cada esquina, contempla o tempo ensolarado, cumprimenta afetuosamente a todos, não se irrita com o barulho das buzinas nem tampouco com a poluição sonora. Rir alto, toma sorvete, come pipoca, enfim... se liberta de todo e qualquer sofrimento que lhe havia causado tamanha e desconsoladora dor. O fato dela ainda estar magoada, não justifica o seu enclausuramento e todo os entorpecentes que tomava para dormir. Ela reconheceu que a felicidade é bem mais complexa do que um simples/grande amor, e descobriu que o desespero não é acalentador. Jogou as cinzas ao alto, resolveu viver. Publicou em seu mural que o recomeço seria a sua palavra de ordem.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

(...)

 Chega de tanto desespero, tanto esmero em não sofrer e dessa busca desenfreada por alguém. Cansei de tanta infelicidade e dessa hipocrisia que nos condiciona a pensar que felicidade é algo interdependente. Há coisas repletas de magias e cores, há mistérios circundados de prazer, há um sol a brilhar todos os dias. Dessas infindas coisas não posso me abdicar de conhecer, tampouco deixar de desfrutar. Existe tantas coisas a ser desvendadas ainda, não vou me exilar por culpa de amores desvinculados. Todavia, futuros amores virão, sem depressão ou melancolia, um dia, qualquer dia, vigora.

domingo, 26 de junho de 2011

Medo de ser feliz

Não sei bem por onde começar, nem sei se posso considerar isso um começo. Mas desde já afirmo que o inusitado me assusta, verdadeiramente, me assusta. Me faz perder o controle da situação e, odeio quando tiro os pés do chão. Esdrúxulo, mais não sei lidar com palavrinhas novas e afetuosas. Por favor, me entenda, não sei demonstrar interesse, mesmo estando totalmente interessada. Não cultivo o hábito de ligar 24h por dia, mesmo estando querendo ouvir a sua voz, saiba: dificilmente ligarei. É, acredito que você já tenha percebido o quanto que eu resisto para me entregar e minto para me mesma fingindo não está nem aí, quando verdadeiramente, eu te quero e quero muito. Me mantenho as margens da descoberta, não costumo mergulha de cabeça, tenho medo de ficar submergida por essa paixão e, talvez quando tudo isso acabar, eu sei que irei demorar até retornar a superfície e sei também que não retornarei inteira e sei que você irá deixar sequelas e eu terei que me acostumar novamente com a solidão. Eu já passei por isso e sei como dói, você não faz menção do quão doeu e do tempo que eu levei para me sentir assim, inteira novamente. É que eu já cansei dessas lendas de que cada amor uma lição e com ela um sofrimento que lhe faz amadurecer, não, conclusivamente, eu não quero amadurecer assim. Sou confusa né? Mal começou e eu já penso no fim, te assusto? Eu percebi as suas divergentes facetas enquanto falo tudo isso desenfreadamente. Não me leve a mal e nem pense que sou louca, só não quero sofrer novamente. Pois é, eu sei que não tem como deter o sofrimento, mais loucamente eu evito e loucamente eu também evito os amores e também evito de me entregar,acredito que esse seja o motivo do qual todos os meus antigos relacionamentos não deram certos. Já estou começando a misturar as coisas, está virando uma conversa heterogênea, diversas fases. Calma, não tenha medo, não sou totalmente louca quanto pareço, um pouco prolixa, talvez. Mais olha quem está pedindo calma, oras, logo eu que estou suando frio perto de você e completamente afim de pular em cima do seu pescoço e te dar um beijo, mas está vendo como não me entrego? Finjo que não ligo, que estou bem. Sou auto-suficiente demais, encaro a minha solidão de frente e com um sorriso simulado no rosto, quem me vê passando na rua pensa como sou altamente feliz. Pelo menos eu não me faço de coitadinha diante de ninguém, odeio quanto sentem pena de mim, já basta a minha autocomiseração que me mata. É, você tem razão, eu tenho medo de contradizer tudo isso que eu te falei, tenho medo de que todas essas minhas teorias estejam erradas e que enfim, eu possa ser feliz, feliz de um jeito que eu nunca fui antes. Sabe, nunca consegui me codificar com alguém assim, nunca revelei os meus medos pra ninguém, sempre tive receio que ao me expor alguém pudesse sentir a obrigação de me fazer feliz, sou bem resolvida e sei que felicidade é um bem unitário sem interdependência com ninguém. Mas, o legal foi ver a sua expressão de interesse no rosto a cada frase que eu falava e a sua busca de me compreender. A maioria dos homens só ouvem um terço do que as mulheres costumam falar, falamos muito eu sei, e eu ainda tenho a mania de escrever muito, confuso né. Em momento algum senti um tédio ou uma dispersão de ambas as partes diante da nossa conversa que mais parecia um monólogo, gostei de ter por instantes alguém que pudesse me fazer enxergar a vida de uma outra forma, alguém que me tirasse dessa fossa de solidão na qual estou habituada e que se funde com o que eu chamo ser felicidade. Olha que progresso, já posso revelar o que sinto sem temor de não te ter aqui amanhã novamente para me ouvir e me olhar desse mesmo modo com o qual me olha agora, afetuosamente. Hã? Você está me dizendo que não vai me fazer sofrer? Não faça promessas em vão. Mas, por você eu aceito sofrer. Se você me prometer que vai me tirar todos os dias dessa monotonia, do tépido e estagnado em que me encontro, sofrer será o de menos pra mim agora (Estranho, mas o meu coração se encontra em uma zona de conforto, as borboletas comprimem o meu estômago e as minhas mãos suam, é, acredito que eu pude enfim amar alguém, e sem perceber me entreguei de corpo, alma e coração. Agora seja o que Deus quiser, a sorte andará de mãos dadas com a gente).

sábado, 25 de junho de 2011

Chega de faz de conta (...)

Troca de olhares não resolve a minha vida e nem tampouco a minha solidão numa noite fria, meu bem. Precisamos é deixar o orgulho de lado, e correr atrás do que realmente nos interessa, a felicidade é o nosso bem comum. Sem cobranças, sem ciúmes. Daqui pra frente te prometo que vai ser assim. Cada um saciando apenas o que lhe interessa, o que lhe faz bem. Você dá as ordens agora. Sem sentimentalismo? Ok, sem sentimentalismo. Eu posso ser frígida numa boa. Posso fazer de conta que a sua vida não me interessa, apenas o seu corpo nu. Posso fazer de conta também que não me preocupo se a sua ex voltar a te ligar ou mandar recadinhos indecentes, ou até mesmo se quando você sai da minha casa se encontra com outra e a ama loucamente igual me amou uns 20 minutos atrás. Eu não ligo pra isso. Ou faço de conta que não ligo, eu sei fazer de conta, o problema é esse. Só não sei fazer de conta que não sofro, que não amo. Mais até você se decidir, continuaremos aqui, fingindo que nos queremos apenas por prazer, quando o amor em sua totalidade nos consome. Eu sei que há amor quando você me abraça forte, quando me olha nos olhos e diz que te faço um bem imensurável, não há simulação nisso. Mais, é uma pena não nos entregarmos a um amor desmedido que nos avassala por temor. Suprimiremos todo esse sentimento, fazemos de conta que não sofremos com a solidão e nem com os dias frios. Quem sabe numa noite qualquer, quando a saudade e a vontade de consumir uma ao outro bater profundamente chegando a doer  no peito, quem sabe nesse dia, então, nos renderemos.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

É a falta que a falta me faz.

Saudade eu tenho é daquilo que um dia foi meu, saudade é o sentimento que eu cativo para manter nas lembranças e no coração, alguém que um dia me trouxe uma paz imensa, desmedida. É essa mesma saudade que traz alguém que amo nos dias frios e leva embora ao som das vassourinhas carnavalescas, é a mesma que me deixa só outra vez e que loucamente me faz suspirar a cada devaneio. Contudo, me mantem viva e com um enorme espaço a ser preenchido. Saudade eu sinto mesmo é de você, meu bem. 

domingo, 12 de junho de 2011

Multipolaridade feminina

E o subconsciente não pede, não força. Exige. Mais atitude, mais vontade, mais segurança. Oras, deixemos toda a passividade de lado, não há mais tempo pra ter calma, pra ser calma. Ouço as crianças correndo, o barulho do vento, as ondas que quebram e o pulsar dos corações apaixonados. Apenas ouço, não sinto. Anormal, talvez eu seja. Vivo num mundo onde tudo é complexo e ambíguo demais aos meus olhos, me mantenho as margens disso tudo. Sempre me mantive nas bordas, olhando apenas pela fresta. Nunca me senti convidada a mergulhar e desvendar o mistério no qual desperta total interesses alheios. Questionamentos é o que eu mais faço. Não tenho apenas uma personalidade definida, mais tenho várias se moldando, se pré-existindo. Crise existencial? talvez. Me conturbo com as faces que demonstro ter, logo eu que odeio o efêmero. As respostas que busco para as minhas perguntas agonizantes ainda não encontrei, acho que nunca vou encontrar. Tenho que aprender a conviver com as inúmeras mulheres que despertam em mim e buscam autonomia. 

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Desabafo.

Sabe aquela sensação na qual o seu peito fica comprimido, as mãos transpiram e os seus pensamentos vivem em puro desconforto, voltando sempre ao passado, mesmo assim querendo viver o futuro bem de pressa? Ansiedade, esse é o meu novo nome. Sempre que eu me sinto assim minha mãe me pergunta, nossa, você tá ansiosa porque? E sempre eu respondo a mesma coisa: tô ansiosa pelo amor, pela felicidade, não que eu seja infeliz mãe, mais desejo uma felicidade a dois. Lá vem ela rebatendo e dizendo: calma, você vai encontrar, paciência. Ai mãe, paciência devia ser o meu sobrenome. Vai tentar explicar pro meu coração nas noites frias que ele precisa ter calma. 
Nossa. As vezes nem percebo como o tempo escorre entre os meus dedos e nem me dou conta do tanto que perdi, mais a vida insiste em jogar isso na minha cara. A única coisa da qual me chama a verdadeira atenção, é de como o tempo, a vida, as pessoas superexigem de mim.  É, talvez, isso nunca mude. A responsabilidade pede atenção, o trabalho pede misericórdia, a faculdade pede entrega. Eu peço alma, alma minha.  

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Sinto;

Lembranças breves, esperanças perpétuas, agonia que é estar só, desejo de se consumir, vontade de se entregar, amor que devaneia. A vida que te entrego são os sorrisos que em desespero te imploro cordialmente que fique. O tempo que escorre lentamente matando subitamente todo desejo vão de te ter para sempre, temor. Distância que insiste em se desvencilhar levando junto todo sonho que um dia sonhamos eternizar. As cores que um dia pintei em uma tarde de verão qualquer sobre as gramas verdes na qual contemplávamos o amor que nos entrelaçava. Onde anda você meu bem e aquele desejo que tínhamos que sentíamos e que vivíamos? Cadê todo o afago que nos divertia e amaciava a amargura da solidão? Amor que idealizei ilusão que criei alusão que fiz de um dia ser feliz. A saudade há de ser doce.

sábado, 28 de maio de 2011

(...) Destemida.

 Exacerbada de tantas futilidades e mentiras acopladas, encolerizada das frustrações e promessas.
Complicada ou complexa, já nem sei mais, são tantas definições; esses pseudônimos não acentua mais na minha autoestima. Eu sei bem o que quero, não dou cabimento ao desespero ludibriador, tenho objetivos e metas a serem cumpridos, nada de se contentar com pouco ou obscuridade. Escolho, indecisivamente escolho, possuo a qualidade do desapego, tamanha altivez em declarar isso, evito sofrimentos descabíveis. Frígida não,sou realista. Num mundo tão desigual, com alta sofreguidão e índices de individualismo elevados não posso me reter de ser racional. Tenho que ponderar se realmente valerá a pena me despir de tanto por tão pouco ato recíproco. Venho remendando em alta costura o meu coração, devaneios incertos não me inebriam mais. Pensar hoje é o ato no qual mais faço, há quem afirme com frases clichês que quando se ama não pensa, o coração não escolhe quem amar ou o amor é cego. No meu caso, o meu coração altamente remendado tem o dever de escolher por quem não se deve sofrer, se o amor é cego eu não sei, mais eu não sou e não admito incoerências. Evito sofrimentos maiores por não me permitir, não caminho mais com os olhos fechados, não amo mais de olhos fechados. Sou dona de mim e da minha intrépida autoconfiança. Acredito e confio que felicidade seja um bem natural, e que não possua interdependência com ninguém. Nenhum dito cujo precisa aparecer pra você se sentir bem e feliz, ninguém é dono do seu sorriso.
A minha felicidade caminha de mãos dadas comigo, na solidão ou não.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Contexto transitório, efêmero;

  Sou tão complexa e ao mesmo tempo indecifrável. Caso ouse me compreender, certamente precisarás de tempo e uma infinda paicência. Ainda estou moldando os meus conceitos e a visão turva de enxergar em todos a recíprocidade do amor.

  Transitória, efêmera, ambígua. Reconheço que são fases que demarcam a minha multipolaridade e as infindas facetas que de acordo com a lua (re)surgem e sem temor algum, mostram o árduo contínuo desafio de se manter sóbria. Sereno, perene, finito. Características da normalidade, fujo de algo normal, do meio termo que invade e transtorna, do tíbio que corrói, não sou tépida. Se existe algo que possa me definir, direi que é a intensidade. Sou intensa, provisória, perecível, fugaz, exílio. Não existem características ou definições para alguém que está em eterna mudança, talvez para mim nunca há.

  Quanto ao humor, depende do dia, hora e lugar. Talvez me encontre com um sorriso afetuoso, terno, acalentador. Ou me reconheça pelas lágrimas dilacerantes que escorrem sem pestanejar pelos olhos e  borram toda a maquilagem. Não me cause ciúmes quando eu estiver de tpm, isso pra me é o fim do mundo e de uma crise de autocomiseração. Todavia, não me fale ou indique o que devo fazer, responsabilidade é uma das minhas tantas fases. Sou carente de carinho, gosto do amor quando o mesmo é mútuo, recíproco e não provoca dores.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Amor que consome.

(...) E a esperança vem, acoplada com ela a vontade de te ter novamente e o desejo de te ouvir dizer: fica, fica um pouco mais. Volto para minha rotina, saio de toda a suntuosidade que engloba os meus devaneios tortuosos e reconheço que o seu altivo orgulho jamais perceberá a falta que faço pra você. Percebo que a longa estrada que nos afasta conserva o orgulho que temos, e, sentimos. Falta-me coragem, a coragem que outrora tive, coragem esta de largar tudo, bater na sua porta e te pedir pra voltar, desta vez sem se desvencilhar, sem meios termos, mais por inteiro. É irrefutável que dentro de mim ainda existe você. O amor que carrego, é o mesmo que espero um dia te dar novamente.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Sigo sem entender.

   Não entendo como os amores acabam rapidamente, as portas do coração se abrem e apenas em uma fresta um novo amor entra. Sou antiquada em relação isso, quando amo, vivencio os mais coloridos dias, me enfeito toda e condecoro tudo ao meu redor com frases amorosas que caibam você. Sempre que encontro um cara (assim mesmo no popular) penso logo, esse é pra vida toda. Idealizo, me iludo e consequentemente me frustro. Nunca sou pega de surpresa, pois sei que estou sujeita a isso, aos desencontros da vida, aos contrapostos amorosos. Quando subitamente me apaixono, o meu inconsciente manda uma mensagem: cuidado, vai com calma, olha pra não ferir a alma! Digo e repito pra me mesma, dessa vez vai ser diferente...

    Logo vem à aproximação, o contato e o meu ponto fraco: os olhos. Quando eles se cruzam, não contenho, entro em êxtase e sou entregue a epifania, sucumbo todo o desejo de me manter tépida, sóbria e exacerbo a vontade de ser amada e culmino o desejo de amar. A verdade é que não sei vivenciar os dias no singular, anseio por alguém que compartilhe da minha felicidade, dos meus sorrisos, do futuro. Só sei viver se for amando, necessito de acalanto, afago. Talvez esse seja o meu maior defeito, a carência.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Românticos são os amores.

Espero confiante os dias de primavera, onde as flores desabrocham e os amores incessantemente se amam. Sigo inerte a espera da estação das flores, dos amores e românticos. Assíduamente passo a saudar a vida e tudo que de belo nela há, com uma total melancolia contida. Suspiros bobos e tolos, respiração ofegante, olhares calorosos e beijos ardentes, românticos são assim. Idealizo de você a pessoa perfeita, crio frases apaixonantes na qual contenham a palavra amor, e saiba, amor só pra você. A felicidade que passei a presenciar constantemente em cada gesto ou sorriso, o amavio que é amar você. O amor que eu aprendi a fazer renúncias e a me renunciar por inteira. As flores que passo a esperar ansiosamente, e o amor que vivo a sonhar. Que a estação das flores traga o cheiro dos amores e os sorrisos que lhe foram entregues. Saudosamente é o seu nome que eu chamo, é você quem eu amo. 

domingo, 15 de maio de 2011

Arte de vivenciar os mais belos dons

A vida a nos testemunhar, e a nos gratificar com o que mais de belo há, senão amar. E a felicidade que nos contempla assíduamente, mostrando em tudo a sua beleza. Quão grande simplicidade em saber que a tristeza não há. Passamos a vivenciar dias repletos de rimas e melodias, composto por sonetos, versos e estrofes no qual ratificam como é bom presenciar o amor e a sua transparência nas pessoas, que só enxergam a riqueza.
Certamente será a solidariedade que nos fará despertar nos dias contemplados pela luxúria e nos fará apertar a mão do mais próximo irmão. O sorriso será o nosso escudo na hora da infelicidade. E a maldade aqui nem sabe onde mora, abrigo não tem, casa também. Idealizaremos um futuro à dois e nos deleitaremos do tempo singularmente perdido. Reconheceremos o bem e junto com a sorte andaremos todos de mãos dadas, pelo longo fio tênue do destino.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Coração submerso;

  A verdade é que ando com uma total comiseração, ou melhor, tudo anda me comovendo. Sou daquelas que na maiorias das vezes deixo a razão falar mais alto, poupo o coração nessas horas. Não sei se o que está acontecendo comigo deve-se ao inconstante tempo, ou as fases da lua, talvez, dizem que ela altera o humor. Pois bem, sou sucumbida pelas lágrimas. Sou vencida pela melancolia e todo sentimentalismo. Passo agora a vivenciar as horas idealizando amores perfeitos e a espera deles, começo a indagar as possibilidades de futuras felicidades à dois. Averiguo sobre os casos mal resolvidos e o que eu poderia ter feito de diferente para mudá-los, mais constato de que nada vale remoer sentimentos perdidos.

  Contudo, sou transitória, conheço e reconheço todas as minhas fases e como de costume sei que são efêmeras. Tirarei total proveito desse lado melancólico e aproveitarei para dizer tudo o que há tempos me retém, sem papas na língua, ou clichês, irei aprender com esta nova fase a dizer eu te amo, sem temores e pudores. Caso me encontre na rua e quase sem querer lhe der um enorme abraço, daqueles bem fortes, não pense que é total carência, talvez seja, mais saiba que necessito desse contato corpo, pele, derme. Talvez chore também, ando sensível e qualquer palavra ou sorriso, posso desaguar. Não penses que o motivo de toda a sensibilidade seja a infelicidade, sou feliz, bastante feliz. Como já havia relatado, saiba que são só fases, retrógradas as vezes ou progressistas, como a lua, aparento diversas nuances. Desejo que me entenda, não pergunte pelo namorado, noivo ou marido, queira saber de mim,da minha vida e o que ando fazendo, isso já é tudo. Me traga sorrisos de primavera, verão e outono, me traga amores de verdade e afagos de felicidades.

domingo, 8 de maio de 2011

Triste diferença acentuada.

O negro que ainda sonha com a liberdade. O branco que se preocupa em expandir seus negócios. Mulatinho pobre que corre descalço na rua e chora com fome. Menino branco rico que usa tênis Nike e come na McDonald's. O preto que é vulgo ladrão, bandido e filho da Puta. O branco que por mais corrupto que seja nunca é preso e tem plenos direitos reconhecidos. Para os pretos a cota, acentuando mais a desigualdade racial. Para os brancos a hipocrisia de que somos todos iguais. Para os pobres o descaso de barreiras caídas por consequência da chuva. Para os ricos as lindas coberturas de prédios luxuosos. O reconhecimento do árduo trabalho de um pião, que chega a ser sarcástico,um mísero salário mínimo, insignificante num país tão consumista quanto. A gratificação imensurável para um capitão do mato onde não passa em seu respectivo local de trabalho 4 horas e não tem suas mãos calejadas por falta de não saber manusear um instrumento pesado. Garoto de colégio do governo que por mais vontade que tenha de estudar, há falta de professores, onde se encontra a nossa educação de qualidade? Nossos honrosos idosos que permanecem em uma eterna fila para se conseguir uma ficha de atendimento hospitalar, essa é a gratificação que recebem por anos de venda de seu trabalho. Tudo isso enquanto nossos companheiros ricos estão cada dia mais ricos e corruptos. Não que eu queira generalizar que todo rico é corrupto, mais que a individualidade, a falta de genorisidade e compaixão prevalecem entre os demais. Saudosos tempos, onde não tínhamos medo de nos expor e a nossa luta era nas ruas com faixas e rostos pintados, mobilizando massas, todos num só ideal, numa só igualdade.
              Vamos pedir piedade, senhor piedade.  Cazuza

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Melancolicamente sou feliz.

Levantei-me da cama pela primeira vez diferente. Não sei ao certo qual foi o motivo que me levou a tamanha renovação. Certamente foi pelo fato de ter passado toda uma noite aos prantos ou por ter optado por um recomeço. Posso afirmar que me encontro límpida e branda, extravasada de toda e qualquer dor. Supostamente  consegui extrair do meu peito toda melancolia que há dias venho trazendo comigo e que me faz ter insônias e carregar um lamentável e duradouro choro. Só agora posso me olhar no espelho sem remorsos, sem olheiras. Só agora posso ficar me narcisando. Há tempos que não tinha a sensação de tomar um banho e me sentir limpa de fato. Não sei, mais parece que tudo agora tem um sabor mais agradável, um odor excitante. Isólitamente devaneios me trarão as amargas lembranças de tempos longínquos onde a tristeza reinava e a baixo auto-estima me perseguia, amadureci, com todas as letras possíveis posso afirmar, nada mais me tira o sono e a vontade de viver. Seguirei com sorrisos estampados no rosto e abraços fartamente calorosos, a felicidade virar acoplada de todas as coisas boas que viram, e eu sei que viram.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

A vida continua.

“Você sempre viveu sem ele, e continuará vivendo. Me poupe do drama.”  Caio F. Abreu


 Superação deveria ser o nome do destino a ser traçado após um término de uma relação. Não entendo bem os motivos que levam as pessoas a mendigar amor ao próximo. Sinceramente nunca fui dessas, que arrancam cabelos, esperneiam, gritam e se desesperam, tenho essa sorte. Acredito que as pessoas só devem querer estar perto de pessoas que lhe dão o devido valor, que carregam a felicidade em si, e não de homens mal amados, que destratam em público, não tem respeito e nem um pingo de educação. Não entra na minha cabeça como mulheres bem resolvidas se encontram em desespero por homens assim, acho que isso não é questão de entendimento é uma simples fato de sentir ou não. As coisas comigo sempre funcionaram assim: acabamos o namoro hoje, eu sofro tudo o que tenho para sofrer hoje, me lamento hoje, claro que amanhã as lembranças continuaram, mais eu supero, tento recomeçar, me ocupo com coisas que merecem total atenção e me dou por completa aos meus amigos, o resto o tempo cura, a minha parte eu fiz. Contudo, eu entendo as minhas amigas, entendo o jeito pelo qual elas se apegam as lembranças, entendo também a falta que o outro faz, a falta dos beijos, carinhos e todas as brincadeiras e intimidades. Mais o que não é seu de fato nunca vai ser, não deixe que ninguém te maltrate, te humilhe. O amor requer sentimentos mútuos, na vida quem ama por dois, certamente sofrerá por três.

domingo, 1 de maio de 2011

Amor límpido é o que eu preciso.

A tempos que vivo me programando para o que falar, qual atitude tomar e o melhor jeito de te esnobar. Qual jeito? Se quando chegas perto me estremeço toda, e só em te olhar nos olhos o meu coração acelera, rezo para que não se vá, que fique um minuto, dois, três...tempo o suficiente para te ter nos meus braços de novo. Mais sempre acontece do mesmo jeito, da mesma forma, ficamos hoje, nos amamos loucamente hoje, fazemos promessas para a vida toda hoje, e hoje você promete que no dia seguinte ligará. Mais apesar de tantas fantasias eu sei que todas essas coisas são efêmeras, sei que amanhã você vai acordar e nem vai lembrar de todas as juras de fidelidade eterna e aí você vai sumir por um mês e eu seguirei com os meus devaneios que se estendem até a sua volta. Eis que você (re)surge e faz todas as promessas novamente, e eu mais uma vez caio em todas. O certo é que todos os sentimentos que você diz ter por mim são exíguos, tola que sou ainda permaneço acreditando que a imensidão do meu amor possa superar toda essa falta de amor que você tem.
Mais do que nunca desejo uma dose de amor puro e sem gelo.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Felicitações a minha querida amiga!

 Fizemos tantos planos, idealizamos um futuro melhor, compartilhamos risos e lágrimas, usurfruímos de toda felicidade do mundo, presenciamos os melhores momentos e vivenciamos os mais dolorosos também. O tempo passou tão rápido que nem reconhecemos, mais sou grata a ele pela força que a nossa amizade tem, pela sua solidificação e hoje sei que nada nos separa. O que te falar nessa data tão especial? O que  te desejar a não ser paz, felicidade e todas as coisas boas do mundo? Como te fazer enxergar a imensidão do meu amor e a minha imensurável amizade? vou usar todos os clichês possíveis, porque não. Que a tamanha beleza da qual és dona seja o tamanho da tua força nos dias difíceis e o sorriso que carregas no rosto nunca se ofusque. Te desejo com toda fé, nunca abra mão dos seus sonhos e objetivos por ninguém, absolutamente ninguém nesse mundo merece tamanho esforço. Lembre-se sempre que a sua alegria vale muito do que simples sorrisos efusivos ou lágrimas corriqueiras. Você merece mais do que simples promessas de mudanças, você merece a felicidade em si e não fantasiada, não se contente com quimeras ilusões, não se habitue ao sofrimento, por favor não. Busque sempre novos caminhos, novas escolhas, a vida é um eterno recomeço e não hesite em ir atrás do que vale a pena e se preciso deixe para trás tudo o que não quer valer. Você merece toda energia positiva dos cosmos, estrelas e tudo quanto for positivo. Corra atrás das pessoas que querem o seu bem, largue aquelas que te menosprezam, essas só merecem a sua pena, não a sua amizade. Coitado daquele que não lhe der valor, não sabe o que perdeu, e não espere que o tempo mostre pra que ele possa voltar, siga adiante ele nunca lhe mereceu mesmo. Te desejo infindas primaveras floridas, todas bem coloridas assim como você. E que o seu caminho seja repleto de luz e que nunca te falte sabedoria minha amiga. Felicitações a você que me faz feliz todos os dias;
Maria Eduarda Figueiredo, dona de um lindo blog: http://caprichososdevaneios.blogspot.com/

sábado, 23 de abril de 2011

Tão só;

O desassossego me pegou de jeito. Os casos mal resolvidos ainda me atormentam e me tiram a paz. A solidão, eterna companheira nas noites frias. Você ainda parece constantemente nas minhas lembranças. A minha cama se encontra tão vazia, mais os lençóis e travesseiros encontram-se do mesmo jeito que você deixou, fiz questão de mantê-los assim, para que o seu perfume permanecesse intacto, assim eu te tenho toda noite em meus braços. Leio e releio as mensagens do celular, faço isso pra te ter por perto, pra pensar que ainda me queres tanto quanto antes. Tomo os banhos mais demorados, ponho os melhores perfumes ( o francês que é o seu predileto), pinto as unhas, arrumo o cabelo e finjo que te espero, finjo que em uma noite qualquer você vai bater na porta e só pela fresta eu vou lhe reconhecer, sem ao menos perguntar quem é. As vezes me pego sentindo o seu cheiro em tudo, numa toalha de banho, numa escova de dente em qualquer coisa que te mantenha vivo. Confesso que tenho vontade de te ligar, e perguntar: e aí, como vai a sua vida? e deixar subentendido a mensagem: como você anda sem me? confesso também que tenho vontade de aparecer na sua casa sem agendar hora, de levar chocolates e filmes, entrar, sentar e te tratar como se nada houvesse acontecido. Mais acontece que o meu orgulho me impede de fazer tudo isso, me limita a ser feliz. Por partes sou grata a todo o orgulho que retenho, por não me deixar implorar amor, e nem mendigar átimos de felicidades. Desejo que você volte, livre e solto de qualquer obrigação e temor. Desejo que volte com amor,e por amor. Mais do que nunca desejo que volte logo, volte pra me.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Em outro coração;

Tudo parece tão calmo, tão frio. As vezes tenho a longínqua impressão de que nada vai bem. Sou meio neurótica com as coisas do coração. Mais não, não é neurose minha, é você que encontrou em outro corpo um outro abrigo, eu só não quero aceitar. Não consigo entender o motivo para tanto desamor, não aceito saber que existe uma "outra" ocupando os seus pensamentos, ocupando um lugar que de direito sempre foi meu. Quando você está comigo é nela que você pensa, e a cada toque, beijo e olhar já não há tanta sinceridade como no início. Não te culpo, a culpa não foi sua, nem minha. Foram os desencontros e desencantos da vida que nos afastaram cada vez mais, pena que só em me restou amor pra continuar. Mais as coisas do amor são sempre assim, no fim um sempre sofre mais, no início um sempre ama mais. Eu aceito a condição de sermos amigos, ou pelos menos simulo aceitar, isso é uma forma de te manter sempre por perto, de saber sobre a sua vida e de me torturar ainda mais. E há quem acredite que o fim não é doloroso, eis aqui a prova viva da dor. Sei que você se encontra confuso, mais isso vai passar, toda paixão passa, e ela também passará, logo irás perder o encanto. Prefiro acreditar que vai ser assim, essa é a forma pela qual encontrei para evitar tanto sofrimento, tanta mutilação. Dramatismo não, é a dor da perda, é a dor de perder alguém que há anos esteve tão preso em suas mãos. Tenho que aceitar que você não está mais disposto a me amar.

   " Lembranças de um tempo bom, que a gente se amava em paz
     Que pena que eu vacilei, agora não dá mais. "  Seu Jorge



terça-feira, 19 de abril de 2011

(...) Tempo arisco para ser feliz.

" É triste remar contrário a sorte, é inquietante ser contraditório, amargo é por não ser sempre feliz. Triste é estratificar o amor, desatinar é entristecer. Petulante é esse tal de amor, assídua é essa nossa   necessidade de ser feliz. Os remorsos que nos devaneiam constantemente de todos os nossos desvencilhamentos tal por motivos concretos ou apenas causa do destino. As reminiscências que teimam em te trazer de volta, logo você que há tempos foi submerso. O desassossego que é ser só, companheira que é a solidão. Sorrisos que sem amavio algum sem perdem no acaso, no desatar das circunstâncias. Abraços que sem acalantos, acalento, conforto e amor se vão com o tempo,se vão e deixam apenas simulações daquilo que não foi por medo de ser. Expectativas que antes eram sonhos utópicos, hoje não passam de ilusões sem esperança e fé no que virá. Desejos de paz e sorte, se foram com o tempo em que éramos felizes, onde a tristeza desaguava, onde a sinceridade reinava e o tempo era rei. Efêmeras fantasias maquiadas de paixão e compaixão, realidade gostosa de se encarar. Vida que era boa, boa vida que tinhamos, risadas que demos um dia de tudo o que foi, amores que amamos e juramos perpetuar, felicidade que encontrava abrigo. Idealizações que sem pudor ou temor algum idealizamos do futuro, bravas lutas que tivemos de enfrentar para poder sorrir dignamente, corajosos que somos, guerreiros que fomos, e há quem diga que não vale apena lutar pela vida. Tolos, bobos. Ainda é tempo, tempo é de se encontrar, de se amar. Ainda é tempo de se viver.                                                                                      
                       Felicidade vê se não demora. "

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Eu te aceito.

Nossos risos, nossas saudades, nossos corações e sentimentos, são tão mais felizes juntos. Nunca antes tinha me sentido assim, plena e segura de mim, nunca tive essa sensação de que tudo pode desabar sobre me, mais eu terei a certeza de que noutro dia poderei lhe ver ali, me dando todo o chão do qual preciso. Eu sei que o que sentimos é amor, aliás, acho que é bem mais que isso. O conforto que um proporciona pro outro é incrível, a pura epifania de realização é ótima. Sem fantasias de adolescentes, sem meras idealizações, eu te aceito do jeito que és, imperfeito. Aceito esse seu jeito desastrado de ser, aceito essa sua mania de esquecer as datas, de chegar sempre atrasado nos encontros, de fazer birra com tudo. Mais reconheço que amo quando você me ama, amo os seus carinhos, o seu jeito de surpreender, de fazer todas as minhas vontades, de ligar sempre nas horas erradas, de cobrar ciúmes por coisas fúteis, amo a total confiança que me entregas. Te confesso com toda a sinceridade que possuo, que em corpo algum tinha encontrado abrigo como encontrei no teu, que o acalento que você me deu, há tempos não tinha. É estonteante como qualquer um pode ver a nossa intimidade apenas pelo simples abraço, tão acalentador. Qualquer pessoa pode perceber o quanto sou feliz só de encostar a minha cabeça no teu peito, só de sentir os teus beijos, a tua mão por baixo dos meus cabelos e debruçar-me sobre teu perfume. E apesar de todas as briguinhas imbecis que temos, as nossas reconciliações são sempre as melhores, as mais afetuosas e amorosas.                                
                           
                                    "Não era amor, era melhor."   Martha medeiros

domingo, 17 de abril de 2011

O amor que me consome.

São tantos sentimentos de culpa, de comiseração. Mesmo estando com tantos outros ao redor, o meu corpo anseia e deseja por você, mais tendo conhecimento de fato que você não merece nem um terço da minha atenção, e não merece mesmo. Você não sabe o que é ter um amor em suas mãos, não conhece o significado do acalanto. É meu caro, não digo que estou loucamente apaixonada por você, pois não estou, mais saiba que você mexe muito comigo, me faz despertar sentimentos avassaladores e eu adoro isso, você me mantém viva e acende a chama dita como felicidade. Mais não posso viver numa lisérgia, a realidade me chama e me frustra, tenho que ir. Não posso mais fantasiar amor perfeito ao seu lado, ah vários rapazes lindos lá fora a me convidar para dançar, tenho que ir, tenho que seguir o ritmo da música e a sua simetria. Talvez amanhã ou outro dia qualquer, voltaremos a ficar e a indagar sobre o romance perfeito, eu realmente espero que possamos nos encontrar e a encarar a vida como ela é. Acredito sem titubear na sua chegada, estarei pronta para viver um lance, um romance ou um namoro. Quem sabe os três de uma só vez. E dessa vez prometo não criar mais utopias, nem me iludir com meros detalhes. Tenha a plena certeza que dessa vez a sorte estará ao nosso lado.


    
E dou risada do grande amor
Mentira.                                 Chico Buarque

sábado, 16 de abril de 2011

Sem ambiguidades, amizade.

Dia nostálgico. Depois de horas lendo divergentes textos, tais assuntos como: amor, amizade, sofrimento e introspecção. Me bate aquela saudade das pessoas que sem motivo se foram, se foram com o tempo, com a linha tênue da distância. Pessoas que marcaram e ainda marcam a minha vida, pessoas das quais sinto imensa falta. Como sinto necessidade de sempre estar cercada por amigos, por afagos e afetos. Sinto falta daqueles que um dia foram os meus melhores amigos e que juntos demos risadas sinceras e sem temor algum. Constantemente me passam pela memória as juras e promessas de amizades e fidelidades que fizemos e, que prometemos ser pra vida eterna, e que junto com elas também construímos o nosso caráter e deixamos de lado a nossa imaturidade, e passamos a descobrir a responsabilidade que a vida ferozmente nos impunha. E amanhã talvez, se nos encontrarmos numa rua do destino qualquer o máximo de festa que faremos será um sorriso frígido e singelo. Sem tantas festas, sem meros abraços, sem a mesma fidelidade e lealdade. Se nos pergutarmos o que aconteceu, diremos que foi o tempo ou a distância, os grandes responsáveis  por tamanha algidez. É diremos isso, culparemos a quem? senão o tempo. E a vida tem de a continuar e triste daqueles que não seguem o seu ritmo, ficaram para trás. Desejo mais do que nunca, hoje, amanhã e sempre, construír laços fraternos verdadeiros, laços incorruptíveis, amizades sinceras e recíprocas. Que quando nos vemos daqui há uns 20 anos, iremos nos olhar e dizer: nossa como o tempo passou, mais apesar dele, você ainda parece aquela jovem garota que conheci no tempo da escola e que te amei, te amei  e confiei em ti todos os meus segredos, todos os meus anseios. Iremos nos abraçar com o mais caloroso abraço, tomaremos um café numa esquina qualquer e nos deleitaremos em deliciosos sorrisos e perceberemos que o tempo não passou para a nossa amizade, que a distância não interferiu em nada e, reconheceremos quão nosso amor cresceu, e diremos sem a mínima dúvida de que tudo valeu a pena, e ainda valerá. Essa é a única certeza da qual quero ter.

" Amizades efêmeras, instantâneas, assim como o termo usado, passam rapidamente, dissolvem-se com o tempo. O amor pra ser amor tem que ser perpetuado e, que apesar do tempo, ainda restará o amor. "

quarta-feira, 13 de abril de 2011

As divergentes, convergentes fases do amor.

"Então, que seja doce..."         Caio F. Abreu


Cansei de idealizar amores perfeitos, mesmo sabendo que eles são imperfeitos. Desisto de lutar pelo que não vale a pena e nem nunca valeu. Entrego o jogo, não quero mais sofrer por algo que eu sabia que não iria dar certo. Estou exausta de viver lamentando pelos cantos, de idealizar e logo depois se frustrar, de fazer planos com a ligação dele no dia seguinte e, no dia seguinte ele não ligar. Não posso mais viver de promessas infundadas e falsas declarações de amores. Não posso.

A partir de agora vou viver da minha maneira, do meu jeito. Vou amar quem eu quiser, sem idealizações. Se der vontade de ficar hoje eu fico, e se amanhã enjoar, dispenso, porque não?  Vou dançar conforme o meu ritmo. Posso sair hoje, encontrar um cara perfeito,dançar, trocar carinhos e fazer juras eternas, mais amanhã eu posso acordar revoltada, querendo ficar só e, ligar pra ele e dizer: sabe, é que eu preciso de um tempo pra me, mais saiba que o problema não é com você. Talvez namore hoje e o namoro dure uma semana (foi eterno enquanto durou). Talvez saia e pegue 3 numa noite, quer que tem? deu vontade. Talvez eu encontre ao virar a esquina o homem da minha vida, mesmo sem saber que aquele cara é o homem da minha vida, e o ame a cada dia, sem querer saber se amanhã ele ainda vai ser meu, sem cobranças, sem exageros, sem expectativas e sem esperanças. Não peço uma vida de amores, só uma noite, só curtos momentos onde a alegria irá ser constante, não me venha com galanteios, se não estiver disposto a me amar verdadeiramente, seja sincero, diga que é um aventureiro, eu não lhe culparei. Ficarei com você do mesmo jeito, só que agora, sem simulações, serei mais sincera, serei eu mesma. E se caso encontrar um coração disposto a me amar, vou ser recíproca, vou mostrar-lhe todo o desejo sucumbido e se for meu, ele vai permanecer, vai fincar raízes.


  "Então me vens e me chega e me invades e me tomas e me pedes e me perdes e te derramas sobre mim com teus olhos sempre fugitivos e abres a boca para libertar novas histórias e outra vez me completo assim, sem urgências, e me concentro inteiro nas coisas que me contas, e assim calado, e assim submisso, te mastigo dentro de mim enquanto me apunhalas com lenta delicadeza deixando claro em cada promessa que jamais será cumprida, que nada devo esperar além dessa máscara colorida, que me queres assim porque assim que és..."         Caio F. Abreu

terça-feira, 12 de abril de 2011

Haverá,existirá senão o amor.

Há sempre motivos para sorrir; há sempre motivações para recomeçar. Existirá um sol a brilhar no fim da jornada, haverá aplausos e méritos reconhecidos pelo seu trabalho. Nos seus caminhos hão de haver amores tortuosos e ludibriantes, mais, há de haver pessoas prontas para estender as mãos e apoiar-te, haverão amores imperfeitos dispostos a te amar loucamente. Você vai ver o quão que a vida é bela, e perpétua de magnitude. Você vai ver que vale a pena vestir um sorriso brando no rosto e prosseguir, sem hesitar, sem titubear. Perceberás o quão é valioso um abraço sincero e acalentador. Irás reconhecer o verdadeiro e único sentido da vida, senão amar e amar. Independente do tempo em que vivemos, onde a única certeza que se tem é o individualismo, verás que ainda é tempo de amar e, que ainda vale a entrega sem  a espera pela reciprocidade.



Ai, que vida boa, olerê
Ai, que vida boa, olará.               Chico Buarque.


domingo, 10 de abril de 2011

Permutação




Decidimos que no sábado não iríamos sair para lugar algum, resolvemos fazer um programa caseiro. No começo achamos que iria ser chato, mais o que há de ser chato quando estamos juntos? Tempo frio e chuvoso. Marcamos na casa dele, ele se encarregaria de comprar os vinhos e eu de comprar as frutas e levar a cascata de chocolate e, após íamos escolher os DVDs.
Ele logo tratou de abrir o vinho e por o filme, enquanto eu estava preparando as frutas e o chocolate. Estava tudo tão mágico, quão divertido. Sentamos no sofá, assistimos filmes de comédia, rimos muito, gargalhamos alto. Nos embriaguemos, nos lambuzamos de chocolate e trocamos afetos, carinhos. Brincamos feito crianças, fizemos palhaçadas e caretas, rolamos pelo chão, vociferamos de alegria exaurida. Aproveitamos cada átimos de segundos, e nos declaramos como se fosse a primeira vez, recitamos poemas de vinícios de Moraes, sem nenhum pudor nos despimos de toda vergonha que nos circundava. Construímos um casulo perfeito. Refletimos o quanto somamos juntos, percebemos que a vida ficou bem mais fácil de ser aturada depois que nos conhecemos. Nos damos conta que os nossos risos são límpidos, verdadeiros e sem nenhum temor. Vimos que enquanto durar, enquanto existir amor em ambas as partes e houver uma reciprocidade sincera será perpétuo. Sempre haverá um brio nos nossos olhares e amor para nos acalentar.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Gira,girassóis.



Tinha uma paixão incontrolável por cores. Ficava horas estagnada observando tudo ao seu redor, e entrava em êxtase quando via algo multicolorido, algo que despertasse a vida, desabrochasse os amores, e acalentasse as dores. A mesma andava de acordo com as nuances da lua, não seguia tendências, criava as suas. Por mais esdrúxulo que fosse, era estonteante ver a alegria que externava no rosto. Suas roupas continha um humor simbólico, quanto mais cores, mais vida. Mais eram lindas, ela era linda. Nunca tinha visto antes uma pessoa se dar tão bem com diversas cores, ela era certamente uma excessão, podia por uma blusa amarela e uma calça vermelha, que ficava digna de toda elegância. Os seus amores tinham cheiro de mel e o seu desencanto era consolado por um coração enfeitiçado por suas cores. Mais certamente o que eu mais admirava nela era o seu amor e afeto por girassóis, a sua casa era repleta deles, chegava a ser inspirador, era tudo tão harmônico. Cuidava, podava, regava com todo o seu amor. Dizia que em cada girassol existia uma parte sua, era tão estranho quão bonito o seu cuidar. Desabrochava em cada estação, mais a sua preferida era a primavera, sabe-se porque. Tinha um amor por cores e flores infindável.  Acredito que se pudesse defini-lá diria que ela foi uma flor do sol.
E que o seu mundo era um gira sol, gira-sol, girassóis.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

(Re)encontrar.

Me procuro e não encontro, perdida pela casualidade. Perdida pelos desencantos da vida, fora de órbita, fora da estação. Desvencilhada de tudo o que antes me prendia, mais totalmente confusa com o que ser e fazer. Procuro me socializar, me manter informada, tento me manter amada. Tento de alguma forma um contato primário, para desaguar, para desabar, mais estou isenta de qualquer contato social. Ando procurando alguém para me solidificar, criar raízes, quero ver o meu espelho refletido, espelho translúcido, sem difusões. Procuro abrigo, encontro e encanto. Não estou a procura de comiseração, quero me reencontrar, quero te encontrar. Desejo tomar o rumo certo, cansei de viver as margens de tudo, piedosamente cansei de segunda opção. Continuo prosseguindo, ainda meio estonteada, meio dilacerada, prossigo incerta, faço continuamente auto prospecção para ver se encontro uma forma de mim acasalar comigo mesma, tento descobrir  respostas conclusivas para tantos desencontros interiores, tantas mudanças duvidosas, humor bipolar. Multifacetada, as vezes confundida com dissimulada, mais quem está fora do âmbito não consegue distinguir os meus pólos negativos e positivos, lados doces e açucarados, há dias em que a minha rispidez prevalece, claro, mais garanto que são poucos. Sigo com toda a paciência que me foi concedida e sei que isso não foi em vão, sigo procurando me (re)encontrar em amores, amigos e, principalmente na vida. Vou apostando em escolhas, descobrindo caminhos (tenho um faro aguçado), me amando mais. Porque não apostar no incerto? tenho uma intuição feminina que não costuma errar. Sigo postulando os meus interesses, sei que por peripécia me encontrarei em esquinas qualquer, ou em bares onde a noite vai me levar, me encontrarei numa rua desértica ou numa ramificação. Mais saiba que o lugar onde possuir mais amor, me encontrarás lá.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Amor que fala por si só.






Será que vale realmente a pena tantos anos de renúncias? eu acho que neste caso a felicidade é notória, nenhuma palavra que eu vá condizer vai expressar a tamanha satisfação de anos de companheirismos recíprocos. Sorrisos simplórios, olhos luminosos, o amor é perceptível. Acho de uma grandeza tremenda o rumo de tudo, o que antes era levado a sério, era uma honra permanecer casados por longos tempos e fazer prevalecer o enorme clichê de "até que a morte os separe", hoje é totalmente banalizado. Quase ninguém, para não generalizar, leva em conta toda uma vida construída e ainda menosprezam os que por direito vivem isso como lei. Amor é abrigo, é encontro, é acasalamento, são renúncias, são rencontros e encontros. Eu vi esta frase em algum lugar mais não me recordo o nome do autor,desculpem-me ando com relapsos de memórias consecutivos, mais bem, achei super interessante e dizia assim: "Sexo é bem melhor quando se há intimidade". Neste caso quem há de discordar? Quem ousará levantar o dedo e contradizer que a vida é mais engraçada quando estamos acompanhados? Se formos parar para analisar, tudo é mais belo quando visto a dois.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Eterno dom de se refazer.

Poesias e literatura, canções e melodias, e a eterna bossa nova. É tudo tão inspirador quão emocionante. A vida é tão digna de emoções prazerosas e verdadeiras. Sonhamos juntos ao ouvir cada música, idealizamos de mãos dadas o futuro ao ler cada poesia lírica. Nos deliciamos em saborear a nossa divergente gastronomia e nos divertíamos muito ao assistir cada filme, e gargalhamos, gargalhamos tão alto que parecia ritmo simétrico. Nos iluminamos a cada banho de chuva e choravámos a cada briga, nos desvencilhamos e logo depois nos reconstruímos, era sempre assim. Vamos nos entrelaçar com a sorte. Ainda há muito o que se viver lá fora, ainda temos espaço para exaurir toda a nossa felicidade.

domingo, 3 de abril de 2011

E lá estar ela, a espera de uma ligação dele. Prometeu para si mesma, que dessa vez tomaria o rumo definitivo. Prometeu que dessa vez iria encostá-lo na parede, e que falaria toda a verdade. Tudo o que o seu coração sente e sofre. Libertação, foi a palavra que ela usou para definir sua vida daqui em diante.
O celular toca... número desconhecido, quem me dera que fosse ele, pensou.

-Alô?
-Oi amor sou eu
-Ah quanto tempo, lembrou que tinha uma namorada foi?
-Sem cobranças por favor, sempre lembro de você.
-É, eu percebo isso... Precisamos conversar!
-Mais antes deixa eu te dizer uma coisa, você é a única mulher que eu amo e quero perto de mim, não saberia viver sem ti.
-E porque somes tanto, sem ao menos dar uma explicação?
-Porque eu preciso de um tempo pra me, nada com você é claro. Eu sou assim, mais eu prometo mudar por você. Mais me fala o que é que você quer conversar?
-Conversar? não, nada não. Saiba que eu também te amo muito.

E tudo se resolveu, pelo menos ela pensou assim. E mais uma vez ele vai sumir, vai (re)aparecer e dará a mesma explicação. E ela continuará sentada no sofá, esperando o celular tocar (e não toca), e iludindo a si mesma que dessa vez será decisivo. Coitada, enquanto ela não aprender a viver só e se acostumar com a solidão, ele ou qualquer outro vai desaparecer e reaparecer, e insólitamente darão a mesma explicação, ela acreditará, não sabe viver só, é dependente do amor. Pobre coitada, ainda não descobriu o seu amor próprio, não aprendeu a lidar com os seus defeitos e amar as suas qualidades, vive em uma carência eterna. Mais quando se descobrir vai perceber, que a única pessoa pela qual ela precisa pra ser feliz é dela mesma, vai ver que o seu amor tem muito valor, e não vai desperdiça-lo com qualquer um. Só ai, será realmente feliz.

Sem ressentimentos

  Aconteceu o tão esperado (re)encontro e me surpreendeu pela calmaria, não brigamos, não gritamos e nem nos ofendemos com palavras rudes. Mais o clima que pairava no ar foi de indiferença. Foi um tentando mostrar ao outro como se sentia feliz (mais ambas as partes sentiam a falta do companheirismo mútuo). Mais naquele momento eu só queria dar "o troco", eu só queria demonstrar o quanto ele perdeu. Queria que ele visse o quanto amadureci e me intelectualizei. E ele fez o mesmo óbvio, disse-me que saia muito, que se divertia muito, e que possuía uma vida social agitada. É, ao contrário de mim, que passo os sábados com o velho e companheiro pijama, sabe os sábados agitados que você tem? eu passo assistindo filmes, lendo livros, comendo brigadeiro de panela e tomando sorvete no pote. Mais isso não vem ao caso, você sempre soube que o meu abrigo é a minha casa, e que me sinto bem fazendo o que gosto. Mais eu também sempre soube que você era das noites agitadas, das baladas. Não leve isso como uma cobrança,por favor não. É só uma conversa apaziguadora. E sem querer o diálogo tomou outros rumos, de indiferente passou a ser amigo, do sobressalto áspero, tornou-se acalentador.
 
  Eu sei que hoje não faz mais diferença com quem estamos, ou com quem saímos, mais quero que saiba que eu torço por você, não pelo amor porque eu sei que era mais do que isso o que sentíamos, mais pelo amigo que você sempre soube ser pra me, pelo companheirismo que apesar de todas as brigas, eu sei que estava lá, eu sei que você estava lá. Torço para que você se encontre nessa vida, que você se encontre logo, que escolha qual caminho seguir sem pestanejar. Que encontre novos amores é claro, o tempo não para e, sempre é hora de recomeçar. Mais desejo ainda que alguém lhe ame o quanto eu amei, aliás, mais do que eu amei, e que sinta por você um apreço imenso, que te tenha cuidado e não te machuque o quanto você me machucou. Te confesso que durou tempo o bastante, e que você me fez despertar os sentimentos mais bonitos que possuía sem saber.

-Saiba que sempre irei te guardar nas lembranças.
-Espero que nas boas, disse eu.
-Sem ressentimentos?
-Mais é claro, sem mágoas, sem nada, só sentimentos bons.
-Vamos marcar pra tomar um café qualquer dia desses?
-Café? não sabia que tinhas mudado tanto. Vamos marcar pra tomar uma cerveja.
-Rs! eu te ligo.
-eu te espero.



Amores serão sempre amáveis. Futuros amantes,quiça
Se amarão sem saber, com o amor que eu um dia
Deixei pra você.                      Chico Buarque            

sábado, 2 de abril de 2011

Vamos ver Zé,vamos ver





Calma Zé, não se afoba não, tudo vai melhorar, eu te prometo!
Vamos ver o progresso,vamos ver a ordem e liberdade, por mais ínfima que seja, vamos ver.
Vamos dar continuidade ao trabalho, por mais que as mãos calejadas doam.
Vamos lá, lutar pelos nossos direitos, por mais que em vão isso seja, vamos reivindicar.
Chega de suar em vão Zé, chega de lacrimejar dia e noite, chega Zé.
Chega de se escravizar por tão pouco, eles vão ter que dar valor ao nosso trabalho, eles vão dar.
Olha Zé, vivemos num mundo globalizado. Acabou o tempo da escravidão e da desordem Zé. Nenhuma luta agora é em vão,nenhuma. Acabou o tempo da ditadura, que alívio né Zé. Liberdade agora são para todos, e o direito de voto também. Sabia Zé que a proposta de governo deles é erradicar a fome, sabia Zé? Eu num te falei Zé que iríamos ver o progresso.

Por mais lendário e utópico vamos ver Zé,vamos ver esse tal progresso,eu te prometo!




"E pelas moscas bicheiras a nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir,
Deus lhe pague."                                                                      Chico Buarque

sexta-feira, 1 de abril de 2011

É meu rapaz,eu gosto de você

Em suma,paixão novinha em folha! Amor cálido e sem freio, sem medo de estagnação. No caminho que decidir seguir, nada mais me impede de recomeçar, de tentar, nada mais me freia pelo simples fato de sofrer. Minha cara, sinto lhe informar que eu sofro de todo o jeito, de toda e qualquer maneira. Mais lhe informo que sofro e como sofro pelo fato de não ter tentado, é, não me perdoou, me martirizo diariamente. Estrada ramificada, escolho qual caminho seguir, e desde já aviso, o que me fizer flutuar sem tirar os pés do chão, o que me fizer rir sem motivo algum, o que me fizer chorar de alegria, eu sigo. Sigo,e aposto todas as fichas sem medo de quebrar a cara, me entrego como se fosse o primeiro amor, me entrego como se nunca estivesse sofrido por algum amor antes. É assim que as coisas tem que funcionar, essa é a lei da vida. Desencontros e encontros. Encanto e desencanto. Eu sei, essa ainda não é a hora certa de parar e, enquanto tiver um coração a pulsar eu sei que vou amar, eu sei que vou sofrer. A vida há de me fazer muito feliz. Confesso que eu gosto desse amavio que o amor me proporciona, esse jogo de sedução e o mistério a pairar no ar. Tudo isso me faz sentir viva, e mais mulher. Gosto da sensação das pernas trêmulas,do coração acelerado e o doce frio na barriga, gosto do cheiro que você deixa no meu rosto, gosto dos abraços quentes, das mãos entrelaçadas e durante os beijos os resquícios de vozes a findar. Gosto das lembranças que me fazem dormir e sonhar com você, gosto dos telefonemas inesperados, gosto de declarações sem pudor. Estou pronta pra recomeçar, dessa vez sem a interferência do passado. É meu rapaz,eu gosto de você.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Cadê o meu coração?

Ando ocupada de mais, ando estressada de mais, ando sem coração. É incrível como nada mais me comove, nenhuma música, nenhum texto, nenhuma lembrança. Há não ser um sorriso,ou alguma forma de externar afeto, contato corpo a corpo. A vida está tomando proporções bem maiores do que eu esperava, estou caindo na rotina, estou caindo no desespero do tráfego, na monotonia das paixões, no desencanto dos amores. Estou cada dia mais me individualizando, me tornando egocêntrica, e me fechando no meu próprio ciclo. A minha autoconfiança chega a doer, o meu mundo é solitário e vazio. Vou voltar ao analista, acho que dez sessões não foram o suficiente, acredito que eu criei um auto bloqueio para com pessoas, acho que de tanto me desiludir, de sempre esperar de mais e sempre receber de menos. É foi isso,sofrimento e amargura. Mais nada que um bom analista, carinho e afeto não curem.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Alegria constante

Desejos e alegrias,felicidade e entusiasmo. Desejos simultâneos e súbitos,mais que maravilha em ser surpreendida numa noite de total marasmo com tantos sentimentos grandiloquentes assim. Não adianta eu tentar externar o que aconteceu ou qual foi o grande motivo para essa explosão de coisas boas fluírem, você não vai entender, aliás, acho que ninguém vai compreender. E estou cheia de tantas perguntas e de tantos medos, felicidade agora é algo meu e que ninguém precisa saber, os invejosos dormem ao lado. Mais saiba que mais do que nunca eu tenho forças para enfrentar os dias de luta e principalmente eu tenho folêgo para reverenciar os dias de paz. O amor vai ser o meu eterno companheiro nessa luta, só sentimentos bons irão perdurar.

domingo, 27 de março de 2011

Num é que hoje acordei desequilibrada, acordei com uma vontade enorme de chorar, acordei com um desejo imenso de relembrar o passado e acordei também sem a mínima paciência. Acho que são as nuances da lua, ou o meu horóscopo que deve estar em Saturno, Marte, sei lá, não sou uma boa astróloga. Sei que hoje os meus sentimentos estão mais intensos e os desejos falando mais alto que a razão, pobre razão que sempre perde pro coração. Hoje acordei mais subjetiva, mais sensível, mais arrogante, acordei com uma vontade imensa de me fazer feliz e sorrir pra vida. Resolvi dar as costas pra solidão e toda a melancolia, resolvi amar mais, não posso mais mostrar o meu lado obtuso, resolvi que devo me entregar as pessoas e deixar que elas percebam isso, não vou me ocultar pra felicidade. Mais acontece que há anos eu espero essa tal de felicidade.

sábado, 26 de março de 2011

Logo eu

Como pude me deixar levar? logo eu, que sempre fui tão sensata, tão sólida e áspera, como pude acreditar em falsas lamúrias? ainda não acredito que fui levada pela emoção. Logo eu, que sempre agir pela razão. Não entendo como deixei esse sentimento aflorar e me possuir. E o pior de tudo foi lembrar que eu sabia desde do início desse seu jeito cavajeste de ser, sempre soube que você nunca tinha levado ninguém a sério, que o seu maior maior dom era o de iludir. Pura utopia minha, pensar que por me você iria se encantar. Puro desencanto meu. Me acalento agora no travesseiro, durante dias este vai ser o meu maior companheiro, vou desaguar todo choro, eu quero chorar durante dias tudo o que for pra chorar. Pra quando minha lágrima secar e eu tiver que pestanejar possa estar pronta pro recomeço, e te garanto que voltarei mais dura como o concreto, serena e plena de mim mesma. Voltarei pronta pra guerra onde jamais homem algum me fará voltar ao fundo do poço. Eu sei que todo aquele ébrio de paixões, todo aquele amavio foi puro ato de seduzir, sei também que todos os gestos de amores e juras de fidelidades foram inverossímeis. Amadureci muito com tanto sofrimento e hoje eu sei que nada me ludibria mais e nem me tira o sorriso amarelo. Foram as situações que me fizeram afogar toda a inocência que tinha, e que depois de muito chorar, amanheceu e fez o maior sol, foi a vida me chamando.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Grande Maria

 Maria, constituída de uma beleza inigualável e ao mesmo tempo simples, não possuía muita informação, a pobre roceira não era intelectualizada. Exôdo rural,foi o deslocamento feito por ela. Maria desde criança continha um sonho e não falava sobre ele pra ninguém, guardava consigo, a mesma sempre sonhou em ser modelo, aquelas das revistas ou passarelas, fotografias talvez. Ela não se preocupava onde iria aparecer, ela queria mesmo era aparecer, quanto mais holofotes direcionados para ela, melhor. Quanto mais glamour, era melhor. Este sempre foi o desejo de realização profissional de Maria. Sendo que como mencionei no início, a mesma era bela, porém, fugia de todo o estereótipo preferido pela sociedade. Tinha um corpo desejável, não era magra, ou melhor dizer no popular, tinha carne. Tinha lábios carnudos, sobrancelhas grossas, olhos grandes como de uma coruja, cabelos longos e quebrados. Possuía uma variedade linguística da região, onde o seu sotaque predominava,aqueles bem puxados. Não se vestia bem, aliás acho que nem tinha tempo pra isso, mais sonhara com roupas luxuosas e maquiagens extravagantes. Era dona de uma ignorância única, mais era feita de uma simplicidade encantadora, dominava todo o assunto da terra,do solo fértil, mais quando o rumo do assunto tomava proporções diferentes e era comentado sobre diversas comunidades globais, aí a coisa mudara, a roceira não entendia nada sobre isso e era nesse exato momento que percebíamos o quanto ela ficava bela calada, ouvinte, queria entender sobre o assunto pra se comunicar na cidade grande, ficava atenta, prestava atenção para aprender sobre os mínimos detalhes. Solidariedade deveria ser o nome dela, sucumbia todos os seus desejos em favor dos outros, sempre estava pronta para brigar por terra de um outrem em favor dos menos favorecidos. A sua única ambição era sua carreira de modelo. Na cidade pequena era adorada por todos e era reconhecida pelo seu prestígio, despertava a admiração e o desejo de muitos homens mais não se importava, pois pensara que encontraria seu príncipe na cidade grande(pois é, mesmo com toda a realidade Maria não desistia de pensar e sonhar com príncipes). A sua humildade e bravura era reconhecidamente honrosa e majestosa. Chegara o dia da partida, Maria arrumava suas malas na maior felicidade, pois pra ela, estava pronta para recomeçar sua vida numa cidade grande, numa metrópole, pois bem assim seja. Ao chegar em São Paulo ficou estagnada e perplexa,não falara um pio, há não ser observar o trafégo intenso, uma população altamente estressada e uma poluição tremenda. Tudo era estranho pra ela, pois vindo de uma cidade calma e tranquila, calorosa com estranhos e com um ar limpo, é claro que tinha de ficar perplexa. Logo tratou de arrumar algo, para poder se manter e dar continuidade ao seu sonho, coisa difícil arruma um bom emprego em São Paulo e ainda mais proveniente de pouca escolaridade, mais esperança não lhe faltara. Tratou logo de ir em uma agência, chegando lá se deparou com mulheres altamente magras e lindas,chegara a ser estonteantes de tão lindas, se frustou só de entrar e, ao falar com a secretaria percebeu tamanho preconceito pelo seu modo de falar e uma zombaria indignante. É, foi bem ai que Maria caiu em si e percebera o quão era feliz numa cidade interiorana semi-árida. Foi justo aí que percebeu que o mundo no qual vivia beleza era o que menos valia, mais a sua grandeza sim era de imensa importância, percebera também que não havia como sobrevier numa cidade tão caótica e longe de qualquer indício de felicidade, resolveu voltar para a sua cidadezinha natal, acredito que de todas as escolhas feitas por Maria esta foi a mais sensata, ao chegar em sua terra se deparou com uma cidade triste e foi logo perguntando o que havia acontecido para tamanha tristeza e foi ai quando disseram que umas das maiores guerreiras dali havia partido pra tentar uma vida melhor na cidade grande, então Maria ficou emocionada ao perceber o tamanho do valor que tinha para com eles e festejou com um brando ruivante de felicidade, percebera então o quanto foi feliz e o quanto é, percebeu também que a felicidade se encontra na simplicidade da vida e na dignidade de tentar e não ter medo de sofrer as consequências, que é sempre hora de retornar e recomeçar, que o mais importante dessa vida é ser feliz. Grande mulher essa Maria,que lição de vida.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Manias da vida

Desejos profundos e excêntricos. Mania essa minha de querer sempre o esdrúxulo e de viver sempre fora de órbita. Mania essa de chorar pelo o que não vale a pena. Mania de tentar decifrar o indecifrável. Mania de amar de mais. Mania de tentar manter perto pessoas com sentimentos ínfimos. Acredito que essa seja a principal, mania de agir por ímpeto. Sempre ajo por ímpeto, é incrível como faço as coisas e falo sem pensar. Vivo titubeando com os meus pensamentos, tento respirar e depois agir, mais é incrível como não consigo. Comigo funciona assim, primeiro ajo e depois fico me martirizando, pensando e cogitando idéias. Invejo a racionalidade que as pessoas usam antes de se pronunciarem. No qual comigo a única essência é o coração, doce e amargo coração. Esse é o contraposto que me move.

terça-feira, 22 de março de 2011

Eterna espera

Venho por meio desta,avisar-te que não sou a mesma desde que você se foi.
Já não ouço mais os meus batimentos cardíacos acelerando, tudo agora é lentidão, é tristeza. Encontro-me perdida, sem saber qual direção tomar. Desejo lhe informar que estou pronta para um recomeço e reconheço os meus erros, venho reivindicar os meus direitos sobre você, direito de posse. Sei que o desejo não acabou e a chama da paixão inflama dia após dia. Ainda me vejo no acalento dos seus braços e no refúgio que o seu corpo me trazia, não quero ser melodramática, mais você faz falta e não sabe o quão. Me visto e despido na esperança de te ter novamente, encontro-me com aquela mesma esperança do dia em que te vi e que  simultaneamente me deu um frio na barriga, um tremor e um brilho estonteante nos olhos. Pois saiba que naquele exato momento eu despertei pra vida e sabia que era você, que tinha que ser você. Sem clichês, não foi amor a primeira vista, mais certamente foi encanto e admiração tanto pela sua beleza interna quanto externa. Foi o seu jeito afetuoso de ser e de tratar todos igualmente, foi o seu modo de externar os seus sentimentos que mais me agradou, foi saber que você tem a sua opinião formada e não é induzido por amigo algum. Mais sem ilusões, não vou fantasiar qualquer coisa com você. Quer dizer, já fantasiei. Puro amavio que me deixou cegamente desse jeito, louca de amor. Durmo e não quero acordar só pra sonhar com você,durmo acordada diariamente. Você não sabe o quão ansiosa estou por sua volta. Você não sabe o tamanho do anseio do meu coração, é querido, você me faz regredir em todos as idéias formuladas que eu tinha onde me faziam criar uma certa barreira de não me entregar, mais com você não teve jeito, ou melhor, não teve regras. Te espero,me encontro e te encontro em mim.

Promessa

Hoje acordei bem motivada e com um humor irreverente. Decidir não mais me entristecer com coisas ínfimas, e o mais incrível decidir também não desmotivar por pensamentos alheios. Minuciosamente terei tempo de sobra pra ser feliz e ainda aguentar toda a monotonia da rotina. Vou me dedicar as coisas que realmente mereçam total dedicação e entrega,mais vou me dedicar também a viver e ser livre, livre de qualquer obrigação que me prenda.Acho que o meu espírito ainda não está adaptado para viver engaiolado, ainda não estou pronta para permanecer em um só local, considero-me cosmopolita, gosto da liberdade que tenho, gosto do livre arbitrio, gosto de fazer as minhas escolhas e sofrer as consequências delas depois. As coisas que me surpreendem me motivam, confesso. Insólitamente você irá me ver triste, eu prometo. Verás sempre um sorriso a brilhar no meu rosto e uma palavra de recomeço.

domingo, 20 de março de 2011

Liberdade,Igualdade e Fraternidade.

De volta pro mundo.Depois de tempos vivendo no surreal,depois de tempos vivendo no meu mundo.Tive que acordar,acordei pra vida.Tive que voltar pro mundo onde a felicidade não é duradoura,onde não ha solidariedade,onde prevalece a desigualdade.Que mundo é esse a qual vivo?essa é a pergunta que me faço todos os dias.E continuo existindo sem respostas.Continuo a indagar como é que se vive sem harmonia ou alguma expectativa de vida?não sei,mais se vive,ou pelo menos tentam viver.Continuo a não entender como existem pessoas que matam,desmatam e poluem o ambiente que vivem,que respiram e que vão deixar pro seus descendentes.É não entendo.Mundo capitalista esse que vivemos,onde o único interesse são os bens e o acúmulo dos mesmos,onde só socializam por conveniência,onde a fraternidade não importa.Onde a igualdade não existe e a liberdade são pra poucos.

sábado, 19 de março de 2011

Coração aflito

Amores recessivos.Em dose dupla.Sempre mantive a necessidade de estar acompanhada,mesmo sem amar,pra mim isso sempre foi uma necessidade.Necessidade de ser ouvida,acalentada e amada.Sempre acabo confundido as coisas,trocadilhos,total epifania.Sempre gostei do cômodo,do conformismo,do que mantém meus pés no chão.De repente me vejo instável,insegura e sem chão.É o término de tudo.É o fim.Em meu corpo ocorreu uma mudança adiabática,estou atônita.E agora qual caminho percorrer? o que fazer dos meus dias sem a companhia dele?Onde será que ele estará agora?Pra quem ele dirá as belas frases de amor,a qual me dizia?e continuo aqui,atônita,tentando procurar respostas paras tantas perguntas que me passam pela cabeça constantemente.Tento me recuperar é claro,a vida tem que seguir.Apenas balela,volto-me deleitar entre as perguntas,volto-me sacrificar pelas lembranças que estão vivas,muito vivas e que ainda encontram abrigo certo em mim.Volto a ler os livros que você lia,volto a escutar a banda que você amava,assim me encontro mais perto de você,mesmo estando tão distante.Dor pungente,que não sai,e não se cura com dorflex.Eu sou sua,totalmente sua.Será que você nunca percebeu isso?nunca tinha deixado isso tão claro,exposto pra se notar,mais sempre demonstrei,sempre.Acho que você nunca percebeu porque não tinha se doado ainda pra nossa relação ao contrário de me,que sempre fui inteira.O nossa amor acabou,pelo menos pra você.Ainda não estou convicta do término,não,não estou.Ainda espero você me ligar,ainda espero você bater na porta,ainda espero,essa esperança é que me mantém viva.Não quero nem pensar em te ver com outra,por isso que evito sair de casa,não quero que alguém me ligue e diga: olha eu vi o teu ex com uma loira num bar.Não quero,por isso que evito falar com amigos.Mais não posso evitar por muito tempo o inevitável,vou ter que me mostrar,não dá mais pra me esconder.Não posso passar a vida toda me lamentando,e nem no chão da sala chorando,bebendo e ouvindo suas músicas.Não posso.Vou ter que te esquecer,mais não agora,ainda quero conviver com essa dor,com esse amor.Vou dar a volta por cima e amar de novo,eu vou,sei que vou.Mais não agora,ainda não é a hora,meu coração ainda te quer por perto.Vou ser feliz,eu sei.Mais ainda quero conviver com essa tristeza iâmbica.Ainda quero sonhar todos os dias com você,ainda quero.Isso tudo vai passar,eu sei que vai,eu sei que vai.Vou voltar a sorrir,eu sei que vou.

terça-feira, 15 de março de 2011

Caminhando sem respostas

Tantas perguntas,tão poucas respostas.E vou seguindo retilineamente,como posso,como devo.Vou tentando dar   o melhor de mim e,esperando mais da vida,das pessoas.Sigo calada,trêmula quanto ao futuro,não consigo desatar do passado,devaneios tortuosos me perseguem continuamente.Vivo a esperança de um futuro bom,do qual deixarei todo o passado de lado,esquecerei tudo que um dia me fez sofrer e reiniciar.Quero dias melhores,dias que ficaram como boas lembranças,recordações que me darão prazer em senti-las novamente.
Quero poder gozar de tudo na maior paz e liberdade,quero não poder me conter e extravasar tudo o que sentir.Desejo livrar-me da vida na qual a minha referência era você,apenas você.Que para ser feliz,você tinha que estar feliz,que para sorrir,primeiro eu tinha que te ver sorrir.Quero amores mais intensos,amores de verão, inverno ou outras estações,quero mais ambiguidades,mais soluções.Quero ter tudo e nada,quero ser tudo e nada.Acho que não posso mais me acovardar da vida e,nem ocultar a minha face para as dificuldades.Não posso mais viver no meio-termo.Inconclusivamente eu sigo,sigo o caminho do sol.

segunda-feira, 14 de março de 2011

auto protecionista

Sem delongas,sem exaustão.Não me venha com frases infundadas na qual sempre levam a perceber que a única culpada pelo término de tudo sou eu,ah por favor,não.Não me venha dizer depois de tudo o que aconteceu que deveria ter tentado mais,apostado mais.Sem hipocrisias.Não venha agora condizer que sempre me amou e que nunca houve traição.Poupe-me de suas desculpas,sem falsos sentimentalismos.Não tente simular um sentimento que nunca houve de fato.Não me subestime,e nem peça para acreditar novamente em juras eternas.Criei uma autodefesa,uma forma de protecionismo,foram as lições que a vida me proporcionaram,foi o rumo que eu tive que tomar para evitar tanto desmerecimento.Sentimentos e belezas outroras me faziam definitivamente perder o juízo,hoje conclusivamente não me deslumbram mais.

domingo, 13 de março de 2011

Amizades saudosas

Percebo mais do que nunca que sou eterna dependente das pessoas que me fazem bem,e sei o quão sou grata por eles.Sempre convivir com o tempo e a distância,coisa dolorosa numa amizade,mais nunca amordaçei as lembranças e saudades,fiz questão de mantê-las sempre vivas em meu peito,assim encontro um refúgio para tê-los em meus dias,presentes em minha vida.Me considero afortunada por ter os melhores amigos e as melhores companhias,os meus risos recebem bonificações por isso.A minha memória é um acervo de lembranças boas e o meu coração um poço de alegria ao lembrar de cada um,a vida fez questão de pôr em meus caminhos pessoas extremamentes maravilhosas e dignas de amor.Quiça,hoje eu não traria o mesmo sorriso estampado no rosto se não estivesse circundada por eles,sorriso do qual faz questão de falar por si só e retribuir todo afeto pelo qual lhe é servido.Lúcidez,perto deles não sei bem o sentido dessa palavra,estonteamento é a certeza.Acredito que tudo estava predestinado,tudo estava designado,acredito que Deus separou os melhores para estarem ao meu lado,os melhores amigos que alguém pode ter.Tenha certeza,eu tenho.E saibam que eu tenho um coração disposto a ama-los sempre.

Regurgitação

Tenho ídolos claro,como acredito que todo mundo tenha.Mais não posso deixar de mencionar o que mais me toca,me alimenta e perfura o meu âmago,Cazuza.É esplendorosa a forma pela qual ele viveu a vida,é estimulante a sua história,o mesmo usou de uma bravura invejante para vencer os dias difíceis e toda a hipocrisia que o Brasil demonstrava,soube dar valor as coisas minuciosas e aprendeu com a vida a ser mais feliz.Soube dar razão  ao que não tinha razão,juízo tinha,mais não queria usar.Pra que se apegar tanto aos detalhes,as regras quando você tem um mundo a se descobrir?qual o motivo de gastar tanto tempo e dinheiro com analista quando se pode ser feliz diariamente?Queria saber o que nos leva ao egoísmo quando se tem gente precisando tanto de nós?acho que Cazuza viveu sua vida da maneira que tinha de ser,não viveu demais e nem de menos,viveu o bastante,viveu todo o tempo que teve pra ser feliz,não desperdiçou um só segundo sendo infeliz.Porque o tempo  corre,voa e não nos espera pra ir junto com ele.Acredito que essa é a melhor maneira de se viver,quebrando as regras,burlando o sistema e sendo feliz,nada mais que ser feliz.Apostar todas as fichas no impossível,almejar o inacreditável,sonhar alto e viver o inesperado,quero viver assim.Quero viver de uma forma que não sobre tempo para a banalidade,quero viver de uma forma onde possa respirar o ar que quero,quero viver emoções indistinguíveis,quero poder se eu o tempo todo,quero poder fazer amigos em cada lugar que passar,quero mais vida dentro de mim,quero mais amor no coração e mais solidariedade nas mãos.

"Pra mim é tudo ou nunca mais."    Cazuza

sábado, 12 de março de 2011

Vontades de uma noite qualquer

Quantas vezes eu senti e vivi tudo calada,tudo pra mim.Quantas vezes brigamos,acabamos e horas depois voltamos?sempre me perco contando o que não há pra contar.Tantas vezes fugir,querendo estar ali,imensuráveis vezes tive vontade de te ligar,vontades na madrugada,durante o dia,noite,mais tive vontades de escutar tua voz.Vontade de te ouvir dizer que está tudo bem e que ainda pensa muito em mim,vontade de te ouvir dizer que a vida só faz sentido se estivermos juntos.Quantas vezes você inventou brigas por motivos fúteis?me ignorou sem mesmo ouvir o que eu tinha a dizer,tantas vezes.Sem mencionar as vezes que me mandou seguir a minha vida só,e,logo em seguida me telefonou.Desculpas aceitas,recomeço!é recomeço nunca tivermos,aliás,espaço próprio nunca tivermos.No início confesso que o término para mim seria o fim,mais não por amar demais e sim pelo comodismo que a nossa relação me proporcionava.Chorei?é claro.Como todo um relacionamento que não teve um fim amigável.Sofri?não o quão esperava.Se amei muito?acredito que o bastante enquanto durou.Arrependimento?não me arrependo do que faço,acredito que tudo tem um aprendizado.Voltar?não,não se pode voltar o que na realidade nunca existiu.Então não me venha com falsas promessas,falsas expectativas.Nesse tempo pude amadurecer o quanto necessitava e vi que    falsos sonhos e promessas hoje não me convencem mais e nem me fazem mais tirar os pés do chão.
Sempre fui embalada por histórias de amor,sempre acreditei no amor eterno.Mais o tempo me fez perceber que nem sempre ficamos por amor,que o amor é uma coisa que pode ser construída com o tempo,aprendi que mais importante que o amor é o respeito.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Desabafo

  Sempre fui rodeada de cobranças e comparações,vivo circundada disso,confesso que quase nunca me importei,isso nunca me abalou e nem mexeu com a minha auto-estima.De tempos remotos esses fatos que vem ocorrido intensamente vem me abalando,não pelo fato de tantas cobranças,mais sim pelas comparações.Mais parei para observar e vi que as pessoas que me comparavam são pessoas frustradas e fúteis,são pessoas que não conseguiram almejar o sucesso profissional e tentam atrapalhar o meu,são pessoas insalubres e que são cercadas de leviandade.
Sem quase querer parei para pensar,escutar uma boa música e ler,resolvi aliviar toda a apreensão que guardava,decidir não mais acumular sentimentos depressivos.Criei metas para mim mesma e desenhei novos rumos e acoplado com eles vinheram novas perspectivas,novos sonhos e desejos,insólitamente sei que hão de vir pessoas novamente me comparando,seja qual o motivo,mais hei de tampar os ouvidos,é,tampar os ouvidos,frustrações são como pragas,pegam.Vou tentar ter uma auto-estima imarcescível,não mim deixarei abalar por pensamentos de tamanha pequenhez,vou regurgitar sempre o que não gostar,vou findar a auto  depressão e os pensamentos céticos.Tentarei ao máximo realizar todos os meus desejos,mais caso não consiga,tentarei novamente,pois sim,novamente tentarei,realização plena?não,sempre buscarei mais,novos rumos,novas metas.E se caso no caminho deparar-me com pessoas comparativas vou emudecer-me,irei ser frívola e estou certa que em átimos elas sumiram,pois bem quero as melhores companhias.Vou levando a minha vida,da qual a única comparação a qual será feita é a me mesma.

Razão e Coração

  Depois de horas aqui lendo aquelas frases clichês e refletindo,refletindo sobre o que?bem,já não sei.São tantas coisas que se passam na minha cabeça em frações de segundos e que se perdem imediatamente.Coisas que eu devia ter falado mais não falei e,principalmente devia ter sentido e não sentir,sempre tento reter os meus sentimentos e não demonstra-los,e acaba que sempre me passo por fria,por ter um coração de gelo e que não dou a mínima,mais acontece que ninguém entende,isso é só uma forma de proteção,proteção contra tudo que já sofri por demonstrar demais e por valorizar pessoas que nunca me deram a mínima.Não sou calculista,e nenhuma outra coisa do tipo,sei que pessoas assim como eu são as que mais sofrem e as que mais sentem.Cabe a mim respaldar as minhas ações e desarticular toda essa tese de egoísmo e me entregar a quem realmente mereça,aprofundar-me no mistério que é amar sem nenhuma forma de reciprocidade ou lealdade,apenas pelo fato de amar.
  
  Hoje me encontro bem comigo mesma,me encontro mais madura,me encontro mais egocêntrica.Depois de tantos erros acabamos por acertar,hoje confesso que posso demonstrar sem medo os meus sentimentos,sem medo de sofrer,sem comiseração,sem pena.Sofrimento pra mim hoje é uma coisa que só dura uma noite e não é rentável,não vou abdicar das minhas escolhas pensando que posso sofrer depois.Hoje sei que não abro mão de mais nada da minha vida.Amores pra mim vão e vem,tem uns que marcam isso é fato,tem outros que só deixam boas lembranças e existem uns que nem isso deixam,mais fiz um pacto comigo mesma,só vou me recordar das coisas boas.É tudo uma questão de racionalismo,você só guarda o que quer guardar e só lembra do que lhe é conveniente lembrar.É tudo uma questão de conveniência,faço as minhas escolhas não mais apenas pela razão,hoje deixo o meu coração tomar proporções bem maiores nas minhas escolhas,não em todas é claro,mais quase todas!

   Afinal não dá pra ser racional o tempo todo,não dá pra amar apenas com a razão,pessoas merecem bem mais que isso,pessoas merecem sentimentos puros e despidos de todo e qualquer egoísmo.Não dá pra amar ninguém pelo simples fato de ser mútuo ou não,não posso esperar que pessoas me amem esperando que eu retribua o mesmo em troca,não quero que toda forma de amor seja recíproca.Desejo amar muito hoje e,amanhã amar de menos,o que é que tem?desejo lealdade hoje e,amanhã,amanhã não sei bem o que eu vou querer,mais sei que quero estar em paz comigo mesma e com os meus sentimentos.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Pois é

  Hoje acordei nem aí pra esse negócio de amar e muito menos para entender.Resolvi ser feliz independentemente de alguém,resolvi quebrar todas as regras e tudo que me prende.Acredito que não estou em fase de criar laços afetivos com ninguém,nunca gostei tanto da solteirice e o que ela me proporciona,sei que essa fase é efêmera.No momento prefiro as nuances da lua,prefiro não pedir permissão e nem ser perdoada,não discutir relação e nem perder o humor.Gosto da calmaria que mantenho comigo mesma,da harmonia a qual resolvo as minhas coisas,da simetria da qual vivo,da paz que respiro.Cansei das quimeras fantasias ilusórias que mantinha,das utopias apaixonantes e dos devaneios que me afrontavam a toda hora.Pois é,hoje me encontro despida de todo sentimento.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Reciprocidade

  Sempre que gosto de alguém procuro um motivo,procuro saber se é recíproco,mais eis a questão eu nunca vou saber se o sentimento é mútuo ou não,o que me resta é confiar e me entregar.Acredito,me entrego,confio e sou fiel a um sentimento,seja qual sentimento for e pra quem seja.Já me decepcionei muito com as pessoas e,principalmente com amizades,já levei romance a sério e amei demais mesmo não vendo reciprocidade,fiz juras de nunca mais me doar por inteira,de nunca amar demais e nem confiar demais.Mais acontece que não consigo e nem posso amar as pessoas pela metade e ser amiga pela metade,isso é uma questão de entrega e eu sempre me entrego,e acredito que as pessoas hajam da mesma forma,ou prefiro acreditar.

  Sinceramente falando,eu gosto muito de me doar,amo sentimentos permutados,e acredito que não há forma mais bonita do que se entregar as pessoas,decepção é uma consequência da vida que como lição você aprende a não cometer os mesmos erros,mais o fato é que sempre vai haver pessoas boas nos circundando e não podemos ludibria-las e nem simular sentimentos,não podemos esquecer que a vida é um eterno ato recíproco e que não podemos acobertar as nossas vontades por medo das pessoas não retribuírem coisas boas,confiar é a palavra chave.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Recomeço é sempre bom

   Hoje resolvi ir atrás da felicidade.Cansei de esperar,sentada no sofá,com short rasgado e chinelão no pé.Sou totalmente contraditória dos que afirmam e defendem ilusoricamente  a tese de que a felicidade bate à porta.
O que ouço por aí é que ninguém nunca encontrou sua felicidade ou metade da laranja na porta de sua casa vendo a novela das 9,posso opiniar,eu também nunca encontrei e olhe que esperei.Mais cansei,é,cansei.
   Repentinamente me bateu vontade de fazer loucuras nunca feitas antes,me passou pela cabeça beber até cair e provar de todas as bebidas um pouco,sair de carro com as amigas,liga o som nas alturas,rir da cara dos "homens"que não podem ver mulheres sozinhas dentro de um carro,solteiras,bebendo e sendo feliz.Acho que há muito tempo não tinha guardado um tempo pra ser feliz,pra me fazer feliz,há tempos que não ria como rir hoje,não falo de sorrisos falsos e errôneos,falo de sorrir verdadeiramente e desatinamente,falo em uma profusão de sorrisos em frações de horas.Acredito que nunca mais tinha falado besteiras,apenas papos cabeças!mais papos cabeças o tempo todo me enchem,me condiciona a uma postura irreal,onde não se pode rir de coisas fúteis,brincar como se o tempo estivesse voltado anos atrás,falar errado e rir depois do que falei e relacionar coisas sem sentidos.
   Não vou abdicar tudo que tenho,e nem vou confessar que não gosto da vida que levo,sou completamente apaixonada pelo que faço.Mais acontece que só de vez em quando gostaria de fazer loucuras,de criar loucuras e fugir de mim mesma.E depois reaparecer com um fôlego imenso,uma alegria contagiante e um brilho luminoso no olhar,e poder vociferar dizendo:Mais uma vez recomeçar.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Indecifrável

"Não que estivesse triste, só não compreendia o que estava sentindo" 
Caio Fernando Abreu
  
   É incrível como essas frases de Caio perfura o meu âmago e me causa indecifráveis       sentimentos,estranho é saber que não domino mais o que eu antes dominava ou tentava domar.Sentimentos é sempre o motivo que me põe em contrariedade comigo mesma,que me faz ter dúvidas e ficar atordoada.Porque comigo é assim,não sei com você cara leitora,mais sempre que gosto de alguém ai ressurge um outro alguém,aquele alguém lá sabe que estava quase imerso no meu coração,pois é,quase,aí de repente aparece aquele outro Zé,aquele sabe que eu tinha um rolo e que noutro dia disse que ia me ligar e não ligou e quando eu menos espero aparece aquele primo da infância,aquele que eu brinquei de médico e dei o primeiro beijo.
  Quando o meu coração está QUASE ocupado emerge esses tantos outros,aí minha cara não tem coração que se ocupe com tantos amores em volta e são nessas horas que eu não compreendo os meus  sentimentos e confirmo que não sei o que estou sentindo,estou completamente estonteada,apenas estou deixando o tempo me guiar.